Carta de Controle: O que é, Modelos e Para que Serve

A carta de controle é usada para acompanhar a variação de processos. Neste post você confere tipos e modelos de carta de controle, o que é e suas vantagens!

O Que É e Para Que Serve a Carta de Controle?

A carta de controle também é conhecida como gráfico de controle ou carta de controle estatístico de processo (CEP), contando com uma estrutura muito visual. Trata-se de uma ferramenta importante para analisar a variação de dados em determinado processo utilizando a estatística, determinando se estão dentro do limite aceitável.

A carta de controle pode ser utilizada por qualquer empresa que trabalhe com padronização de produtos para analisar se as variações estão dentro do normal.

Dentro do contexto de carta de controle, as causas comuns e as causas especiais são dois conceitos importantes usados para analisar a variabilidade em processos e identificar as razões por trás de pontos de dados que se afastam das expectativas normais:

  • Causas Comuns (Variações Inerentes):

Também conhecidas como variações naturais ou aleatórias, as causas comuns são as fontes de variação que são inerentes ao processo, como o próprio nome do conceito indica. Elas representam a variabilidade que ocorre normalmente devido à complexidade do processo, à variação nos materiais, à variação nas condições ambientais, etc.

Essas causas são esperadas em qualquer processo e podem ser consideradas “normais”.
Em um gráfico, elas resultam em pontos de dados que estão dentro dos limites de controle (LCL – Limite de Controle Inferior e UCL – Limite de Controle Superior), indicando que o processo está em estado de controle.

  • Causas Especiais (Variações Excepcionais):

Também chamadas de variações não-aleatórias ou causas atribuíveis, as causas especiais são as fontes de variação que estão fora do comum e que podem ser identificadas e corrigidas.

Elas são geralmente causadas por eventos específicos, problemas técnicos, falhas de máquinas, erros de operadores, etc., resultando em pontos de dados que estão fora dos limites de controle ou em padrões incomuns no gráfico de controle.

Quando essas causas especiais são identificadas, é importante investigar e eliminar a fonte do problema para que o processo retorne a um estado de controle, como, por exemplo, um problema em uma máquina que gera defeitos de fabricação na peça.

Estrutura da Carta de Controle

A carta de controle possui três estruturas principais, demonstradas em três linhas de referência que possuem um propósito específico:

  1. Linha do Meio (Linha Central ou LCM – Linha Central Móvel): divide o gráfico de controle em duas partes, acima e abaixo dela, representando a média das observações ou medições do processo ao longo de um período de tempo específico. Ela fornece uma referência para avaliar se o processo está funcionando em seu nível alvo ou se há desvios significativos em relação a essa média;
  2. Primeira Linha de Controle (Limite de Controle Inferior – LCI): geralmente traçada abaixo da linha do meio, é usada para indicar o limite inferior aceitável de variação aleatória no processo.
  3. Segunda Linha de Controle (Limite de Controle Superior – LCS): é traçada acima da linha do meio e representa o limite superior aceitável de variação aleatória no processo.

Tipos de Carta de Controle

Existem diferentes tipos de carta de controle com características e vantagens diferentes: a carta de controle por atributos e a carta de controle por variáveis.

Enquanto a carta de controle por atributos é mais simples, consistindo apenas na identificação visual do processo para determinar se ele é satisfatório ou não, onde o defeito do produto só é considerado importante caso não seja tolerado pelos clientes, a carta de controle por variáveis envolve uma medição mais complexa com a determinação mais específica de detalhes, como comprimento, espessura, diâmetro, largura, etc.

Vantagens de Usar uma Carta de Controle

A utilização de uma carta de controle (gráfico de controle) oferece várias vantagens para empresas e organizações que buscam melhorar a qualidade de seus processos, pois ela permite:

  • Monitoramento de desempenho;
  • Detecção de variações;
  • Melhoria da qualidade;
  • Redução de desperdício e custos;
  • Tomada de decisões baseada em dados;
  • Padronização de processos;
  • Melhoria contínua dos processos;
  • Comunicação eficaz;
  • Prevenção de problemas futuros;
  • Satisfação do cliente.

Modelos de Carta de Controle

Confira modelos de cartas de controle logo abaixo:

Cartas Comerciais

Você pode gostar...